Rondônia, - 13:14
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Geral
Vem aí o movimento dos “carros-pintados”
Imagine o caro leitor se, um belo dia, ao passar em frente ao Congresso Nacional, diversos carros estacionados estiverem estampando na lateral, em letras garrafais, a seguinte mensagem: “VERGONHA NACIONAL”. Assim mesmo, com letras maiúsculas e em verde e amarelo. Pois ao menos um carro já dirige o singelo recado às autoridades do Parlamento, e pertence ao “visionário” que sonha em ver carros-protesto estampando com as cores da bandeira nacional as ruas de Brasília: Júlio César Silva Peres (foto), 49, servidor público lotado na segunda secretaria do Senado, que todos os dias estaciona seu carro de forma que fique visível para os nobres parlamentares.
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 15:41 | Fonte FÁBIO GÓIS 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=254812&codDep=31" data-text="Vem aí o movimento dos “carros-pintados”
  
 
 

Imagine o caro leitor se, um belo dia, ao passar em frente ao Congresso Nacional, diversos carros estacionados estiverem estampando na lateral, em letras garrafais, a seguinte mensagem: “VERGONHA NACIONAL”. Assim mesmo, com letras maiúsculas e em verde e amarelo. Pois ao menos um carro já dirige o singelo recado às autoridades do Parlamento, e pertence ao “visionário” que sonha em ver carros-protesto estampando com as cores da bandeira nacional as ruas de Brasília: Júlio César Silva Peres (foto), 49, servidor público lotado na segunda secretaria do Senado, que todos os dias estaciona seu carro de forma que fique visível para os nobres parlamentares.
 
“Na realidade, isso é apenas um chamativo. Em seguida, virá um movimento Ética Brasil, análogo ao movimento dos caras-pintadas. Vamos começar pelos jovens que têm ética, caráter e princípios”, explicou, referindo-se ao movimento protagonizado em 1992 por estudantes brasileiros e que, aliado a outros fatores, levou ao impeachment do então presidente da República, Fernando Collor de Mello. “Aí podemos conseguir virar a mesa sem derramar uma gota de sangue sequer, como foi o movimento dos caras-pintadas.”
 
Há dois meses, Júlio colocou no carro – uma camionete Ford Ranger preta – o adesivo com os dizeres “Vergonha”, na cor amarela, e “Nacional”, em verde. Mas ele já vinha “amadurecendo” a idéia há alguns anos. O servidor público diz que, no começo de 2009, o manifesto solitário começará a ganhar contornos práticos, quando será criado um site, “marco inicial” do movimento Ética Brasil, que é seu projeto político. “Aí começa todo o processo, oficialmente.”

"Lavagem ética"
 
Júlio crê que a adesão dos motoristas e demais cidadãos de Brasília ganhará proporções nacionais. “O DF inteirinho [vai aderir]. E isso vai se expandir pelo Brasil, automaticamente. A mídia vai me propiciar esses efeitos”, acredita o servidor, que recebeu a reportagem em seu gabinete no quarto andar do Anexo 1 do Senado. A intenção do ato cotidianamente cultivado por Júlio é fazer uma “lavagem ética” nas esferas de poder em Brasília. E com a conscientização, principalmente, dos jovens.
 
Julio diz que imagina a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes repleta de carros com os adesivos de protesto. “Em questão de um ano, um ano e meio, isso aqui vai estar expandido em número exponencial”, disse, apontando para o carro estacionado na rampa que ladeia o prédio do Congresso, ao lado do Palácio do Planalto.
 
Pretensões políticas
 
Engenheiro eletricista por formação, Júlio deixou a profissão, que exercia desde o início dos anos 80, depois de ser aprovado em concurso público para o Senado há 16 anos. Nesse período, passou, entre outros lugares, pela liderança do PMDB na Casa.
 
Com pretensões eleitorais (diz que será deputado federal, senador ou – “por que não?” – presidente da República), Júlio está filiado a um partido político, “pequeno, por mera contingência”, uma vez que, para se candidatar, uma pessoa deve estar filiada a alguma legenda.
 
“Mas vou me desvincular dele [do partido], porque peguei pessoas lá dentro fazendo coisas ilícitas. E eram pessoas importantes”, disse, preferindo não revelar qual é a sigla e sem ter ainda decidido para qual legenda migrará. “O partido, para mim, já está dizendo: não tem união. O [próximo] partido é que vai ter de ficar mais voltado para mim, porque eu tenho os princípios, e hoje está difícil encontrar algo que se enquadre ao que eu tenho de filosofia.”
 
Eloqüente e com discurso engajado, ele acredita que haverá em breve uma mudança significativa nas estruturas do sistema republicano, com o surgimento de um “quarto setor”, que seria um poder coordenador. Segundo Júlio, o novo poder teria a função de “interligação” entre Executivo, Legislativo e Judiciário. “E depois até um quinto [setor], mas sem cabides de emprego, como é o caso de nossa Câmara Distrital, que é uma brincadeira”, criticou.
 
O servidor afirma que seu lugar no Legislativo – ou no Executivo, quem sabe? – está garantido. No Senado, relata, várias pessoas já declararam voto e apoio. Mas Júlio diz que é a população de baixa renda, da periferia, e não as classes A e B, que demonstra mais interesse pelo manifesto.
 
“O pessoal classe média e classe média alta acha isso beatice, que não vai ter reverberação na sociedade. Já quando a gente acessa a periferia, não. É realmente o contrário o que a gente vê”, resigna-se, admitindo que usa o carro como “instrumento de campanha”.
 
“Isso chamaria a atenção, as pessoas me abordam na rua. E eu tenho esse hábito, educo o povo. Já que aqui dentro dificilmente eu posso produzir um trabalho, lá fora em faço um trabalho político”, explica, acrescentando que, embora a marca de seu veículo apresente “muitas falhas”, o alvo da crítica é mesmo os senadores.
 
“Herança maldita”
 
Fazendo uma análise dos três governos que testemunhou em 16 anos de serviço público, Júlio diz que a imprensa deu mostras de avanço na denúncia das mazelas políticas, mas há ainda muito a ser feito nesse sentido. “A mídia está pressionando muito bem”, destaca, ressalvando que setores da mídia fazem “vista grossa” para os casos de corrupção no Senado.
 
“Tivemos o exemplo do processo do Renan Calheiros [PMDB-AL], mal contado, muita coisa ficou sem ser dita”, criticou, lembrando que Renan, ao invés de se defender da tribuna, respondia às acusações da própria cadeira de presidente do Senado, ferindo o regimento interno e demonstrando certo autoritarismo. “Assim ele não dava acesso a nenhum parlamentar.” No ano passado, Renan Calheiros foi alvo de seis processos de cassação abertos no Conselho de Ética, e chegou a ser julgado em plenário, mas foi absolvido de quatro – outros dois foram arquivados no próprio colegiado.
 
O engenheiro acredita que, embora o quadro tenha melhorado nos últimos anos, ainda há no Legislativo uma tradição de manutenção de poder nas mãos de um determinado grupo de pessoas. “Existe um histórico muito pesado dentro do Congresso Nacional. Eles têm muito ás na manga, e isso corrobora a manutenção de um sistema não adequado, na transparente. É uma herança maldita e, infelizmente, ela vem de muito tempo”, reclama.
 
Por fim, Júlio, pai de três adolescentes, diz que, com a educação que dá a seus filhos, não será motivo de surpresa se um deles – o mais novo, de nove anos, explica – chegar à Presidência da República. “O exemplo começa dentro de casa”, arrematou, dizendo que o filho em questão já se comporta como um líder e tem inteligência fora do comum – a ponto de lhe ter dado “uma surra” em jogos de memória.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Geral


Delegação peruana chega a Porto Velho para FEIRON 2009 Internacional
...


Boi bumbá e quadrilha na festa para Porto Velho
...


ENCONTRO DO PT SERÁ NESTE SÁBADO EM ARIQUEMES
...


CONFÚCIO MOURA: Não serei, se eleito, governador de masmorras da idade média; quero Rondônia um estado que transforma o cidadão, que dá oportunidades
...

 

      





2016 - ARIQUEMES ONLINE - Informação Sem fronteiras

© 2014 - 2017 • Ernesto & Eugenio Comunicação
jornal@emrondonia.com
redacao@ariquemesonline.com.br
(69) 9 9201-1314 (WhatsApp) - 9 9967-8787 (Oi)
Porto Velho - Rondônia - Brasil

Livre a reprodução, transmissão por broadcast, ou redistribuição dos conteúdos. Pede-se a citação do crédito.
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do EMRONDONIA.COM. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.










 
 
 
  EMRONDONIA.COM