Rondônia, - 06:48
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Geral
FALÊNCIA DO SISTEMA: RICO NO BRASIL QUANDO VAI PRESO É ASSIM
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 16:45 | Fonte EMRONDONIA.COM.BR 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=253019&codDep=31" data-text="FALÊNCIA DO SISTEMA: RICO NO BRASIL QUANDO VAI PRESO É ASSIM

  
 
 

A vida que o dono do falido Banco Marka, o ítalo-brasileiro Salvatore Alberto Cacciola, 64 anos, leva hoje é certamente bem diferente do cotidiano de milionário que tinha antes de retornar ao Brasil e ser mandado para a penitenciária Bangu 8, no Rio de Janeiro – mas nem por isso ele pode reclamar. No cárcere, Cacciola é uma celebridade que atrai atenções e consegue manter um mínimo de conforto. O ex-banqueiro tem um frigobar, tevê e DVD. Não veste uniforme, só suas próprias roupas, boa parte delas de grifes italianas. Não come a gororoba do Desipe. Normalmente, alimenta- se com comidas enviadas pela família. Só bebe água mineral – de galão, é verdade. Ele abastece sua geladeira com coisas vendidas na cantina da cadeia, como sanduíches, biscoitos e refrigerantes. Mas apesar desses “luxos”, Cacciola não é malvisto pelos presos comuns porque transformou-se numa espécie de guru. Freqüentemente, ele passa horas conversando com seus novos “colegas” deprimidos. Gesticula, abraça, conforta. A “audiência”, não raro, termina em gargalhadas.

O ex-banqueiro já conversou com o ex-subchefe da Polícia Civil do Rio, Ricardo Hallac, preso pelo suposto envolvimento com a máfia dos caça-níqueis. Mais do que ajudar, ele se tornou “amigo de infância” dos irmãos Jerônimo e Natalino, respectivamente vereador e deputado estadual, acusados de chefiar milícias na zona oeste do Rio. Os dois passaram a chamá-lo de “mestre”, numa referência que se supõe ser a seu comportamento com os demais detentos. Para a direção da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, Cacciola, com todo o seu otimismo, tem ajudado muito os demais detentos da Penitenciária Pedrolino Werling de Oliveira, conhecida como Bangu 8, no Complexo Penal de Gericinó, no bairro Bangu, subúrbio do Rio. A prisão tem capacidade para abrigar 257 detentos. O preso ilustre costuma usar bermudas e camisas tipo pólo, de diversas cores, calçando sandálias de couro, mocassins ou tênis. Também caminha pela pequena quadra desportiva da penitenciária com moletons sofisticados, tênis Nike ou Mizuno, e meias esportivas.

Segundo fontes do sistema penitenciário, Cacciola é uma pessoa refinada, mesmo no xadrez. Advogados e parentes de outros presos dizem que ele fala pelo celular. Segundo uma prima de outro detento, o ex-banqueiro parece muito à vontade, conversa animadamente com os companheiros, conta piadas e ri muito. “Nem parece que está preso”, diz ela. Em dias de visita, recebe o irmão Renato e os filhos Fabrizio, que mora na Itália, e Rafaella, que todas as segundas e sextas-feiras sai de sua casa na avenida Epitácio Pessoa, na Lagoa, uma das áreas mais nobres do Rio, para ver o pai em Bangu. Os filhos evitam reclamar da situação do ex-banqueiro e afirmam apenas que ele está sendo tratado com respeito.

A pior parte é a falta de privacidade – já devidamente notificada por seus advogados. Cacciola divide uma cela de 125,23 metros quadrados com outros 32 presos VIPs; e a cela está apenas com 50% de sua capacidade ocupada. O que mais incomoda os presos de Bangu 8 é o aterro sanitário, que fica colado à penitenciária e acarreta mau cheiro, moscas e até ratos. Outra queixa é a falta de água quente. A cela possui dois banheiros: um com vaso sanitário e outro com chuveiros. “Mas quem pagar, consegue um banho com água quente”, garante a parente de um colega de cela do ex-banqueiro. “Aqui tudo gira em torno de um trocado”, completa. Ela se questiona: “Será que o Cacciola está mesmo tomando banho frio?”.

Nos dias em que está aberto à visitação, o Complexo Penal de Gericinó transforma-se em pista de desfile de carros caríssimos como Honda Civic, Toyota Corolla, Ford Hilux e os mais esportivos, também caros, Eco Sport e Cross Fox. Todos com vidro preto, claro. Bangu 8 é conhecida como prisão VIP porque é o endereço dos presos com curso superior, ricos e/ou poderosos, como delegados, detetives da Polícia Civil do Rio, advogados, bombeiros, policiais militares, a maioria supostamente envolvida em crimes de alta rentabilidade.

Cacciola foi preso em 2000, acusado de crimes financeiros, mas ficou apenas 37 dias na cadeia. Libertado graças a uma decisão do Supremo Tribunal Federal, ele fugiu para a Itália, onde estabeleceu residência – tem dupla cidadania e, por isso, não poderia ser extraditado para o Brasil. Em 2005 foi condenado à revelia a 13 anos de prisão por peculato e gestão fraudulenta. No ano passado, o ex-banqueiro foi preso pela Interpol quando passeava no Principado de Mônaco. Extraditado, chegou ao Brasil no dia 17 de julho. “Ele só tem uma pena a cumprir, de 13 anos, se nenhum recurso que impetramos para anular a sentença ou reduzir a pena for aprovado. Mesmo assim nosso cliente não ficará mais do que um ano preso”, explica o advogado Carlos Eluf.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Geral


As duas caras do Itaú
...


Papa pede que Igreja na América Latina lute contra a corrupção
...


PORTO VELHO: Lei Maria da Penha é tema de debate no Congresso de Direito das Famílias
...


TJ-SP condena promotor que chamou juiz de desequilibrado em representação
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE