MP e Polícia Civil deflagram operação para combater esquema de empresas fantasmas do jornal Estadão do Norte
A investigação realizada pelo MP-RO, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), revelou a existência de indícios da prática de crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso, fraude a licitações e associação criminosa
Publicado Terça-Feira, 12 de Maio de 2015, às 08:43 | MP-RO

 

O Ministério Público do Estado de Rondônia, em conjunto com a Polícia Civil, deflagrou na manhã desta terça-feira, dia 12 de maio, a Operação Ardina, destinada a desmantelar esquema de empresas fantasmas, utilizadas pelos donos do jornal Estadão do Norte para fraudar contratos com órgãos públicos.
 
Cerca de 40 policiais civis cumprem em Porto Velho e Brasília mandados de prisão e busca e apreensão determinados pelo Poder Judiciário do Estado de Rondônia.
 
A investigação realizada pelo MP-RO, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), revelou a existência de indícios da prática de crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso, fraude a licitações e associação criminosa (antigo crime de quadrilha), perpetrados pelos gestores do Estadão do Norte e pessoas a eles ligadas.
 
A associação criminosa criava empresas fantasmas em nome de laranjas a fim de obter contratos com entes públicos estaduais e municipais. Isso era feito para contornar o impedimento do “Estadão do Norte” celebrar contratos com esses órgãos, fruto do passivo judicial e tributário da empresa e de seus donos, inclusive ações penais.
 

O nome da operação remete a termo utilizado em Portugal para designar meninos que vendiam jornais pelas ruas, apregoando as manchetes, lembrando a utilização por membros da quadrilha de laranjas e empresas fantasmas a fim de obter contratos para venda de jornais. 

 

Mais informações sobre o caso:

Diretores do jornal são presos e conduzidos para a promotoria do MP

As prisões de parte da diretoria do jornal O Estadão do Norte foram realizadas durante a operação 'Ardina',  deflagrada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público de Rondônia. Até o momento foram confirmadas as prisões de Omar Cunha, Mário André Calixto (que foi preso em Brasília) e de uma mulher, identificada como Marília Calixto . Os presos na Capital foram conduzidos para o Ministério Público, porém Mário André vai prestar a sua oitiva via conferência, onde vão prestar esclarecimentos na promotoria. É previsto que os conduzidos sejam levado para o Presídio Pandinha posteriormente.

 
Mário André Calixto, preso na manhã de hoje durante a operação 'Ardina"

 

Foram expedidos cinco mandados de prisão e até o momento três foram cumpridas. O delegado responsável pela ação dos policiais é Swami Otto.

 

A operação foi deflagrada na manhã desta terça-feira (12) e visa desarticular uma organização criminosa, que funcionava dentro da empresa que fraudava contratos.

Fonte: Rondoniaovivo - Foto interna: Imagem News