Deixe o jornalismo prosperar! Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, 3 de maio de 2015
Mensagem de Ban Ki-Moon, secretário-geral das Nações Unidas, Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, e Zeid Ra’ad Al Hussein, alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, 3 de maio de 2015.
Publicado Segunda-Feira, 4 de Maio de 2015, às 20:01 | UNESCO Office in Brasilia

 

Arquivo/Internet

ONU condena morte de cinegrafista Santiago Andrade

ONU condena morte de cinegrafista Santiago Andrade

Mensagem de Ban Ki-Moon, secretário-geral das Nações Unidas, Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, e Zeid Ra’ad Al Hussein, alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, 3 de maio de 2015.
Deixe o jornalismo prosperar!
 
Esse é o tema do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa deste ano.
 
Em 2015, os Estados estão em ritmo acelerado para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e dar forma a uma nova agenda mundial de desenvolvimento sustentável. Liberdade de expressão e liberdade de imprensa são essenciais para o sucesso em todos os níveis.
 
Para que a paz seja duradoura e o desenvolvimento seja sustentável, os direitos humanos devem ser respeitados. Todos devem ser livres para procurar, receber e transmitir conhecimento e informação, em todos os meios de comunicação, online e offline. O jornalismo de qualidade permite que os cidadãos tomem decisões conscientes sobre o desenvolvimento de sua sociedade. Ele também permite expor a injustiça, a corrupção e o abuso de poder.
 
Para esse fim, o jornalismo deve ser capaz de prosperar, em um ambiente favorável em que os jornalistas possam trabalhar de forma independente e sem interferência indevida, bem como em condições de segurança.
 
Recentemente, o mundo tem assistido a terríveis ataques contra jornalistas – pelo menos um jornalista é morto a cada semana, tanto em zonas de conflito quanto naquelas em que não há conflito. Devemos redobrar os esforços para aumentar a segurança dos jornalistas e pôr fim à impunidade, e esse é o objetivo do Plano de Ação das Nações Unidas sobre a Segurança de Jornalistas e a Questão da Impunidade, liderado pela UNESCO e apoiado por outras agências da ONU.
 
Precisamos que todas as vozes falem e sejam ouvidas – especialmente as das mulheres. Vinte anos após a Declaração e a Plataforma de Ação de Beijing, as mulheres continuam sub-representadas em todos os meios de comunicação, nas esferas de tomada de decisão, mas também na cobertura de notícias. Não podemos deixar que essa situação permaneça assim. Homens e mulheres devem participar igualmente na produção e no compartilhamento de notícias.
 
A liberdade de expressão e a liberdade de imprensa não são atributos de luxo, que podem esperar até que o desenvolvimento sustentável seja alcançado – são facilitadores do usufruto de todos os direitos humanos e, portanto, são vitais para à boa governança e ao Estado de Direito.

Esta é a nossa mensagem para hoje: deixar o jornalismo prosperar!