Boxe: Americano vai ganhar sozinho R$ 540 milhões de reais só para subir no ringue
Bolsa da luta é de 300 milhões de dólares. Vencedor levará cinturão cravejado de diamantes
Publicado Sábado, 2 de Maio de 2015, às 10:18 | VEJA ONLINE

 

Floyd Mayweather

Floyd Mayweather

Floyd Mayweather Jr. e Manny Pacquiao se encaram(Las Vegas Sun/Steve Marcus/Reuters)
 
Mayweather e Pacquiao fazem hoje 'luta do século'. E dos recordes
 
O americano Floyd Mayweather e o filipino Manny Pacquiao se enfrentam neste sábado no MGM Grand Garden Arena de Las Vegas, nos Estados Unidos, em um confronto que promete entrar para a história. A "luta do século" atingiu recordes relacionados a preços de ingressos, vendas de pay-per-view - calcula-se 4 milhões apenas nos EUA -, procura por hospedagem na cidade americana e será assistida por milhões de pessoas em todo o mundo.
Os dois pugilistas, considerados os rincipais astros do boxe atualmente, entrarão no ringue à 1 hora de domingo (horário de Brasília) lutando por quatro cinturões: o dos meio-médios da Organização Mundial de Boxe (atualmente com Pacquiao), o dos meio-médios do Conselho Mundial de Boxe e o dos médio-ligeiros da Associação Mundial de Boxe (ambos em poder de Mayweather) e, de quebra, o cinturão feito de esmeraldas e diamantes para a própria luta, com valor estimado em 1 milhão de dólares (cerca de 3 milhões de reais).
Filipinas pede para torcida desligar eletrodomésticos para evitar apagão na hora da luta
O valor do cinturão de diamantes quase desaparece diante das demais cifras da luta: a bolsa total é de 300 milhões de dólares (cerca de 900 milhões de reais), dos quais 180 milhões de dólares (540 milhões de reais) vão engordar ainda mais a conta do americano, o atleta mais bem-pago do mundo. Mayweather faz questão de mostrar seus ganhos, tirando fotos ao lado de pilhas de dólares, exibindo carrões e joias. Vira e mexe também se envolve em confusões, agredindo namoradas - já foi parar na prisão por causa disso - e desacatando policiais.
Já Pacquiao não esquece a infância pobre. Vive com a máxima discrição possível - nas Filipinas é tido como herói nacional, pelos feitos nos ringues e pela preocupação social que o levou inclusive a enveredar pelo mundo da política - e diz que vive "apenas com o necessário". Ele deverá receber 120 milhões de dólares (360 milhões de reais).

(Com Estadão Conteúdo)