Morte de mais um estudante eleva para 236 o número de óbitos no RS
O estado de saúde de Matheus Raschen, 20 anos, piorou e ele acabou não resistindo
Publicado Sexta-Feira, 1 de Fevereiro de 2013, às 11:05 | Correio Braziliense

 

Reprodução Internet

Matheus Raschen, 20 anos

Matheus Raschen, 20 anos

Às 21h45min dessa quinta-feira (31/1) foi confirmada a morte da 236ª vítima do incêndio na boate Kiss. Matheus Raschen, 20 anos, estava internado em estado grave no Hospital de Pronto Socorro, em Porto Alegre, desde a manhã de domingo (27/1). Ele era estudante de tecnologia de alimentos na UFSM. Em clima de comoção e revolta, parentes e familiares participam nesta manhã do velório do rapaz, em Santa Cruz, cidade onde ele nasceu. O sepultamento está previsto para as 18h desta sexta-feira (1°/2), no Cemitério Municipal de Santa Cruz. 
 
O estudante teve seu quadro de saúde piorado nessa quinta-feira. Ele tinha 43% do corpo ferido com queimaduras de segundo e terceiro graus. Matheus estava sendo mantido em ventilação mecânica.
 
 
Acompanhamento de hospitalizados
 
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou nessa quinta-feira (31/1) a criação de um gabinete de crise da Força Nacional do SUS em Porto Alegre, para atuar em conjunto com o gabinete instalado em Santa Maria (RS) no acompanhamento dos pacientes hospitalizados, vítimas do incêndio que consumiu a Boate Kiss, no domingo passado. Ainda há 127 internados, 71 em estado crítico e, segundo o ministro, correndo risco de morrer.
 
Dos pacientes internados, 20 são considerados grandes queimados e 51 tiveram comprometimento pulmonar. O incêndio causou a morte de 235 pessoas. Segundo o ministro, as ações da pasta permanecerão no estado até o dia 18 de fevereiro, quando será feita uma avaliação das necessidades.
 
 
Sócio continua preso
 
Ontem, a Justiça negou o pedido de liberdade a Elissandro Callegaro Spohr, o Kiko, um dos sócios da Boate Kiss. A decisão foi do juiz plantonista da Comarca de Santa Maria, Afif Simões Neto. O juiz destacou que não há motivos razoáveis para se desfazer a decisão anterior, que decretou a prisão por um período de cinco dias, prazo que vence hoje. De acordo com o magistrado, a prisão de Kiko “embasou-se em sólidos fundamentos fáticos e jurídicos, principalmente no que diz respeito à necessidade da custódia para a investigação que se encontra em curso”.
 

Elissandro está hospitalizado, sob custódia. A polícia pediu ontem a renovação de sua prisão temporária e aguarda agora decisão da Justiça. Ainda estão presos, além de Kiko, seu sócio na boate, Mauro Hoffman; o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos; e o produtor do conjunto musical, Luciano Augusto Bonilha.