Requerimento ao MP pede acessibilidade a loja Móveis Gazin em Ouro Preto
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 19:31 |

 

Requerimento ao MP pede acessibilidade a loja Móveis Gazin em Ouro Preto

Um requerimento entregue ao Ministério Público de Ouro Preto do Oeste solicita ao órgão providências em relação à acessibilidade na Loja Móveis Gazin, do município. O documento, elaborado por um cadeirante, alega o não cumprimento à lei e às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Após contato da reportagem, a sede da empresa, no Paraná, garantiu já estar avaliando o caso.

De acordo com o cliente da loja, que é cadeirante, o problema está na inclinação das rampas, tanto na entrada quanto para o acesso ao segundo piso, para onde, recentemente, foi transferido o caixa de pagamentos, fato que agravou a situação.

O requerente

“Considero como uma falta de respeito não somente aos cadeirantes, mas também aos idosos, aos obesos e às gestantes que adentram a esta loja”, diz o requerente, que afirma ter entrado em contato com a gerência local, sendo informado da existência de um projeto de mudanças, porém sem previsão.

O cliente acredita que as adaptações solicitadas não só cumprirão o que diz a lei, como evitarão constrangimentos. “Quero poder entrar, escolher os produtos, ir até o caixa e pagar minha conta sem depender de ninguém. Por isso, espero que o MP tome as devidas providências para resolver este grave problema, que é inaceitável, principalmente quando se trata de uma empresa conhecida nacionalmente”, completou.

Versão local

A reportagem procurou a gerência da loja em Ouro Preto. O responsável temporário, Edvan, disse não estar ciente do problema e informou que a gerente estava de férias. Ele admitiu a possibilidade da existência do problema. “Não estava sabendo da reclamação. Mas pode ser que haja uma inclinação a mais do que o permitido, sim, porém sempre temos funcionários à disposição para prestar auxílio”, explanou.

Edvan informou, ainda, que entraria em contato com a sede da loja, retornando no dia seguinte com mais esclarecimentos.

Sede

Após sete dias, sem o retorno do responsável local, a reportagem entrou em contato, via e-mail, com a assessoria de marketing da Gazin, com sede em Douratina-PR, anexando cópia do requerimento.

Por meio de nota, a assessoria informou que ainda não havia sido notificada pelo MP, mas garantiu que já está analisando o caso e tomará providências cabíveis. Certificou, também, que o fato está sendo avaliado pelo departamento jurídico, junto aos responsáveis pela loja.

Veja íntegra da nota:

Tendo em vista a análise do requerimento, estamos apurando o ocorrido e, constatando a irregularidade, tomaremos as providências para correção imediata, no intuito de garantir a excelência no atendimento, que juntamente com outros atributos foram responsáveis pelo sucesso em nossos 45 de história. Nosso departamento jurídico já foi acionado desde o primeiro contato e está acompanhando de perto a análise da situação, juntamente com os responsáveis pela loja. Assim que tudo for esclarecido, teremos o prazer em dar mais informações.

O nosso objetivo é proporcionar momentos de alegria, conquista e praticidade para todos os que frequentam nossas lojas, dessa forma, a infraestrutura dos prédios em que nossas filiais estão instaladas seguem os padrões exigidos por lei. A Gazin, uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil e a marca de varejo mais lembrada na região norte e centro-oeste, reintera seu compromisso de fazer sempre o melhor para cada um de nossos clientes.


Camilo Estevam / Gazeta Central