Sindicato alerta para a falta de combustível em Rondônia
Sindicato alerta para a falta de combustível em Rondônia
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 10:33 |

 
Sindicato alerta para a falta de combustível em Rondônia
Seca no Rio Madeira compromete abastecimento de combustível em Rondônia e Acre. Já falta gasolina em alguns postos de gasolina de Porto Velho. O nível do rio estava em 2.70 metros ontem (3), e de acordo com a Delegacia Fluvial até o mês de outubro a tendência é baixar ainda mais. Desde o mês de agosto o nível do rio só baixou, sendo que a média para essa época do ano é de pouco mais de 4 metros.

 

Com a baixa no rio as balsas que trazem o combustível de Manaus têm dificuldades para passar no trecho do Papagaio em Humaitá. De acordo com informações do Sindicato do Comércio Varejista de Revendedores de Petróleo de Rondônia (SindPetro), as balsas chegam a Humaitá e precisam dividir a carga para poderem navegar com mais tranquilidade, caso contrário correm o risco de encalhar. Há 15 dias os problemas se tornaram mais graves e começou um racionamento de Combustível no Estado.

 

“Este final de semana deverá ser mais crítico”, disse o presidente do SindPetro de Rondônia, Valdir Miranda. É possível que venha a faltar combustível em muitos postos. Informações obtidas pelo sindicato através da Petrobrás dão conta que cerca de 40 balsas estão paradas em Humaitá por causa do nível do rio.

 

“Caso o rio continue a baixar as empresas podem recorrer ao transporte por via terrestre, mas isso só acontecerá em último caso. Se for necessário trazer combustível em grande quantidade de outros Estados para suprir a necessidade de Rondônia é possível que os preços venham a subir. Apesar de as empresas distribuidoras afirmarem que não repassam este aumento para o consumidor.”

 

Já com relação ao desabastecimento de álcool combustível, não há perigo porque este vem por via terrestre de Mato Grosso, afirmou.

 

Delegacia Fluvial

 

De acordo com o delegado fluvial Ubirajara Luberiaga Júnior, a previsão para o nível do Rio Madeira voltar a subir é só para o mês de outubro. Mesmo assim, o delegado afirma que não há motivos para preocupação. “Mesmo com dificuldades as balsas conseguem passar”, afirmou. 

 

 

REPÓRTER: CYNTIA DIAS

DIÁRIO DA AMAZÔNIA