Temporal deste domingo em Rondônia foi um dos mais fortes da estação
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 15:22 | SIPAM/RO

 

De acordo com a Divisão de Meteorologia do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), o volume de chuva registrado em Porto Velho entre a noite de domingo (14) e a manhã de hoje (15) só foi inferior aos 119 milímetros que caíram na cidade no dia 31 de dezembro de 2009, até agora o temporal mais intenso deste inverno amazônico. A chuva de ontem começou por volta das 21 horas e se prolongou até às 9 horas desta segunda-feira, período em que a estação pluviométrica instalada na Embrapa (BR-364) registrou um total de 109 milímetros. Segundo a climatologia da capital, esse volume corresponde a 40% da precipitação esperada para todo o mês de março na cidade, que é de 273 milímetros.

Segundo a previsão, mais chuva está por vir. “A zona de convergência de umidade que cruzou o país no sentido sudeste-noroeste ainda deixa o tempo nublado nesta segunda-feira em Porto Velho. A previsão é de chuvas entre a noite e a madrugada, mas não devem ser tão intensas quanto às de ontem”,  revela José Carvalho, chefe da meteorologia. Até terça-feira, as regiões mais afetadas devem ser o sul do Amazonas, Porto Velho e Machadinho D’Oeste.

 

No interior, precipitação chegou a 130 milímetros

Situação ainda mais grave passaram alguns municípios do interior de Rondônia. Em Vilhena, no sul do estado, a estação automática do INMET registrou 127,6 milímetros acumulados entre as 3 e 10 horas da manhã desta segunda. Em Ji-Paraná, informações da CPRM apontam acumulado de 130 milímetros.

A chuva no sul do estado já aumentou em quase um metro o nível do rio Machado em Pimenta Bueno, que está medindo 6,57 metros nesta manhã. Segundo Júlio Kunzler, da CPRM, o nível do rio em Ji-Paraná também já está aumentando, porém ainda se encontra 80 centímetros abaixo da máxima de 11,40 metros registrada esse ano. “A cota de alagação em Ji-Paraná é por volta dos 9 metros, por isso, algumas famílias já podem estar afetadas na cidade”, diz Kunzler.