Na China, menininha com apenas um ano de vida ficou grávida - FOTO
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 11:15 | REUTERS

 
Os médicos que atenderam a menina chinesa (Kang Mengru), identificaram como uma rara condição que se chama fetus in fetu
 
No seu interior, ainda bebê, começou-se a desenvolver o corpo de um feto. A menina, Kang Mengru, começou a ficar com barriga inchada até que foram fazer exames. Através de uma tomografia viram que dentro do seu abdômen crescia uma nova criança parasita.
 
A menina chinesa Kang Mengru com um bebê crescendo dentro dela. Os médicos identificaram como uma rara condição que se chama “fetus in fetu” e que acontece quando um embrião absorve o outro durante as primeiras semanas de gravidez.O que costuma acontecer é que a nova criança fica reduzida a alguma parte humana. Neste caso de Kang, o bebé dela é um feto completo, tal e qual um novo bebê. A menina irá ser sujeita a cirurgia para remoção do feto. Agora irão fazer uma cirurgia para remover o bebê parasita. “Fetus in Fetu” trata-se de uma gestação de gêmeos, onde ocorre a malformação de um deles. O feto mal formado desenvolve-se, no entanto, dentro do outro irmão.
 
Quando os embriões começam a desenvolver-se, ainda como células, algumas serão boas e outras sairão com defeito. As células anômalas não têm hipótese de chegar ao final da gestação, em casos normais. O corpo da mãe, ou do irmão, acaba por absorver e destruir essas células, correspondentes a um corpo defeituoso.Mas nesta situação de “fetus in fetu”, as células que estão boas envolvem as células deficientes.
 
Estas células, ao invés de serem destruídas, conseguem sobreviver tornando-se parasitas das células boas e formam um novo feto. Este feto com problemas, passa-se assim a desenvolver dentro do interior do irmão, completamente formado por células boas.
 
Depois de nascerem, o bebê com problema não ultrapassa um certo nível de crescimento, enquanto o gêmeo normal pode continuar a crescer naturalmente e sem qualquer problema. Normalmente, nestes casos, executa-se uma cirurgia para remoção do gêmeo parasita.
 
Este corpo estranho normalmente acaba por morrer pois não costuma ter cérebro, coração ou cabeça. Tem poucos órgãos e nalguns casos, poderá ter órgãos partilhados com o irmão. Desde o início do século XX, há menos de 100 casos conhecidos até ao momento.
Reuters