Família é executada com crueldade em Bom Futuro
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 09:11 | EMRONDONIA.COM.BR

 

Três pessoas de uma família, incluindo um garoto de 14 anos, foram executadas a tiros, dentro da Floresta Nacional (Flona) do Bom Futuro, na altura do km 20, da Linha dois, zona rural de Buritis. Os criminosos violentaram as vítimas com crueldade, arrancando olhos e língua, incendiaram a casa das vítimas e fugiram sem ser identificados.
Um integrante da família identificado como Nildinei Tietz Raach contou à polícia que estava trabalhando com seu pai, quando este resolveu buscar o almoço em casa. Como demorou muito, o trabalhador foi atrás do pai. Antes de chegar em casa ele avistou a mãe na janela gritando que os pistoleiros já tinham matado seu pai e seu irmão e que era para ele buscar ajuda.
Assustado com a informação, Nildinei se escondeu e algum tempo depois resolveu ir até sua casa, encontrando seus familiares estendidos no terreiro já mortos e a casa totalmente queimada. As vítimas foram identificadas como Alvim Raach, de 60 anos, Orlandina Tietz Ena, de 40 anos, Nioclerio Tietz Raach, de 14.

Devastação

A Flona do Bom Futuro é considerada hoje como a mais devastada unidade de conservação sob a responsabilidade do Governo Federal. A invasão foi iniciada há dez anos e o Censo Agropecuário do IBGE de 2007 registrou a presença de 1.540 moradores, 18 escolas, 14 igrejas e 31 mil cabeças de gado de 355 proprietários.
Segundo o chefe da Flona, Paulo Volnei, a violência dentro da unidade é grande. “Como se trata de uma área de invasão, não há qualquer aparato de segurança pública e a região passou a ser utilizada como esconderijo de criminosos”, revela. Além da chacina de ontem, no último domingo um homem foi executado dentro da vila de Rio Pardo, conta Volnei.
O Governo Federal anunciou uma operação para cessar a devastação da Flona. Os trabalhos serão iniciados em janeiro com barreiras de fiscalização nas quatro principais estradas de acesso, para impedir a saída de madeira. Os fazendeiros serão intimados e terão um prazo de 180 dias para retirar o gado. As famílias que vivem no local serão cadastradas. “Com a presença da fiscalização, acreditamos que os criminosos que vivem na Flona devem se retirar, ficando no local apenas os agricultores”, considera Paulo Volnei.
Ele disse que a intenção do Governo Federal é fazer com que a Flona gere emprego e os moradores da região poderão ser contratados como brigadistas ou no manejo dos produtos da floresta.

Tentativa

Ainda no município de Buritis, a polícia registrou uma tentativa de homicídio sofrida por João Batista da Hora, de 25 anos. Ele contou que se encontrava em casa, na rua São Francisco do Guaporé, quando por volta das 21h, foi alvejado com tiro na perna direita e nas nádegas, sendo socorrido em seguida ao Hospital Regional. O criminoso não foi identificado.