Menores lideram número de detenções com arma
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 08:11 | ESTADÃO DO NORTE

 

Menores lideram número de autuações em flagrante por porte ilegal de arma, em Porto Velho. De janeiro a junho deste ano, segundo levantamento feito pela Delegacia Especializada na Apuração de Atos Infracionais (DEAAI), quase 40 armas foram apreendidas em poder de adolescentes, a maioria meninos. Ainda segundo o levantamento, em 95% dos casos os menores apreendidos têm algum tipo de envolvimento com o narcotráfico.
O último registro de menores detidos por porte ilegal de arma foi feito no início da tarde de ontem, na Central de Polícia. Segundo boletim de ocorrência, três adolescentes, todos com 17 anos de idade, foram apreendidos quando transitavam pela rua Risoleta Miranda, próximo à Manuel Filho, no bairro Tancredo Neves, zona Leste de Porto Velho.
Com o trio, a polícia diz ter apreendido um revólver calibre 38 municiado com três balas intactas. Momentos antes da abordagem policial, segundo denúncia, os menores foram vistos rondando um comércio na região.
A delegada Juracy Henrique, titular da DEAAI, explica que uma grande parcela dos jovens envolvidos em roubos e latrocínios trabalha por encomenda. "Eles (menores) são orientados e armados por criminosos adultos". Segundo ela, os menores envolvidos com assaltos geralmente delatam os adultos envolvidos no crime, mas os envolvidos com o tráfico dificilmente revelam nomes ou endereços. "O traficante mata quem delata". Além dos simulacros, em apenas dois anos (2006 e 2007) a polícia diz ter apreendido 266 armas em poder de adolescentes.

 

Sensação de impunidade impulsiona crime
Comentando sobre a grande incidência de menores no crime, policiais militares são unânimes quando falam de punição. Segundo dois policiais e um sargento PM, a sensação de impunidade é o que mais motiva os infratores e o que os torna cada vez mais ousados e violentos. "Como se revestidos por uma ´falsa´ blindagem, eles se arriscam com maior intensidade e não temem assumir autoria de crimes ou posse de entorpecente. Por isso são recrutados pelo narcotráfico, além de vendedores, servem como laranjas", alertam os PMs.
Com o avanço do tráfico de armas, em Porto Velho, o risco de mais menores se envolverem em crimes quase que duplica, segundo analisam os policiais. "Antes quando a polícia chegava em locais suspeitos, os menores fugiam ou se escondiam. Hoje, quando avistam a viatura policial, eles armam tocaias e tentam rechaçar a guarnição a tiros. Só fogem em último caso".